Detalhe

Governo edita MP com medidas trabalhistas para enfrentamento dos efeitos econômicos diante do coronavírus

23/03/2020 | Por: ABMES | 1526
Foto: ABMES

Dando seguimento às diversas ações adotadas pelo Governo Federal para o enfrentamento das situações contextualizada no estado de calamidade gerado pelo novo coronavírus (COVID-19), foi publicada ontem, domingo (22/03), em sessão extra do Diário Oficial da União (DOU), a Medida Provisória (MP) nº 927, de 22 de março de 2020, com medidas sobre as relações de trabalho.

A Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) preparou um apanhado dos temas tratados na MP e a repercussão para as instituições de educação superior (IES):

  1. Objetivo da MP: preservação do emprego e da renda e para enfrentamento da crise.
  2.   Vigência das medidas previstas na MP: durante o estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 2020.
  3.   Alternativas: o empregado e o empregador poderão celebrar acordo individual escrito a fim de garantir a permanência do vínculo empregatício, que terá preponderância sobre os demais instrumentos normativos, legais e negociais, respeitados os limites estabelecidos na Constituição. Poderão ser adotadas as seguintes medidas, dentre outras:
    1. o teletrabalho;
    2. a antecipação de férias individuais;
    3. a concessão de férias coletivas;
    4. o aproveitamento e a antecipação de feriados;
    5. o banco de horas;
    6. a suspensão de exigências administrativas em segurança e saúde no trabalho;
    7. o direcionamento do trabalhador para qualificação; e
    8. o diferimento do recolhimento do Fundo de Garantia do Tempo de Serviço - FGTS.

DETALHAMENTO DE CADA UMA DAS MEDIDAS ALTERNATIVAS TRATADAS NA MP:

  1. TELETRABALHO (teletrabalho, o trabalho remoto ou outro tipo de trabalho a distância)
    1. O empregador poderá, a seu critério, alterar o regime de trabalho para teletrabalho, como também determinar o retorno ao trabalho presencial, independentemente da existência de acordos individuais ou coletivos;
    2. Dispensa-se o registro prévio da alteração no contrato individual de trabalho;
    3. O trabalho externo, aquele desenvolvido fora das dependências do empregador, mas sem a utilização de ferramentas tecnológicas (exemplo: motoristas, vendedores) não terá o mesmo tratamento das atividades alternativas previstas na Medida Provisória para o regime de teletrabalho;
    4. Da decisão de teletrabalho, será notificado o empregado com antecedência de, no mínimo, quarenta e oito horas, por escrito ou por meio eletrônico;
    5. As disposições relativas à responsabilidade pela aquisição, pela manutenção ou pelo fornecimento dos equipamentos tecnológicos e da infraestrutura necessária e adequada à prestação do teletrabalho, trabalho remoto ou trabalho a distância e ao reembolso de despesas arcadas pelo empregado serão previstas em contrato escrito, firmado previamente ou no prazo de trinta dias, contado da data da mudança do regime de trabalho.
    6. Na hipótese de o empregado não possuir os equipamentos tecnológicos e a infraestrutura necessária e adequada à prestação do teletrabalho, do trabalho remoto ou do trabalho a distância:
      1. o empregador viabilizará a implementação do teletrabalho e poderá fornecer os equipamentos em regime de comodato (empréstimo gratuito com tempo para devolução) e pagar por serviços de infraestrutura (antecipado, simultâneo ou restituição), que não caracterizarão verba de natureza salarial; ou
      2. na impossibilidade do comodato, o período da jornada normal de trabalho será computado como tempo de trabalho à disposição do empregador.
    7. Importante definir como será desenvolvido o teletrabalho, uma vez que o tempo de uso de aplicativos e programas de comunicação fora da jornada de trabalho normal do empregado não constitui tempo à disposição, regime de prontidão ou de sobreaviso, exceto se houver previsão em acordo individual ou coletivo.
    8. As disposições aqui definidas, respeitadas suas especificidades, se aplicam a estagiários e aprendizes.
    9. O regime de teletrabalho não se aplica aos trabalhadores em teleatendimento ou telemarketing.
       
  2. ANTECIPAÇÃO DE FÉRIAS INDIVIDUAIS
    1. O empregador informará ao empregado sobre a antecipação de suas férias com antecedência de, no mínimo, quarenta e oito horas, por escrito ou por meio eletrônico, com a indicação do período a ser gozado pelo empregado.
    2. Regras de antecipação:
      1. não poderão ser gozadas em períodos inferiores a cinco dias corridos; e
      2. poderão ser concedidas por ato do empregador, ainda que o período aquisitivo a elas relativo não tenha transcorrido.
      3. é possível, ainda, a negociação para a antecipação de períodos futuros de férias, mediante acordo individual escrito
    3. PRIORIDADE: Os trabalhadores que pertençam ao grupo de risco quanto ao covid-19 serão priorizados para o gozo de férias, individuais ou coletivas.
    4. PROFISSIONAIS DA SAÚDE: Durante o risco de contágio do Covid-19, o empregador poderá suspender as férias ou licenças não remuneradas dos profissionais da área de saúde ou daqueles que desempenhem funções essenciais, mediante comunicação formal da decisão ao trabalhador, por escrito ou por meio eletrônico, preferencialmente com antecedência de quarenta e oito horas.
    5. PAGAMENTO DO TERÇO DE FÉRIAS: o empregador poderá optar por efetuar o pagamento do adicional de um terço de férias após sua concessão, até a data em que é devida a gratificação natalina (“13º salário”).
    6. eventual requerimento por parte do empregado de conversão de um terço de férias em abono pecuniário, a conhecida “venda de 10 dias de férias”, estará sujeita à concordância do empregador, aplicável o prazo a que se refere o caput.
    7. Na hipótese de dispensa do empregado, o empregador pagará, juntamente com o pagamento dos haveres rescisórios, os valores ainda não adimplidos relativos às férias.
       
  3. CONCESSÃO DE FÉRIAS COLETIVAS
    1. o empregador poderá, a seu critério, conceder férias coletivas e deverá notificar o conjunto de empregados afetados com antecedência de, no mínimo, quarenta e oito horas, não aplicáveis o limite máximo de períodos anuais e o limite mínimo de dias corridos previstos.
    2. ficam dispensadas a comunicação prévia ao órgão local do Ministério da Economia e a comunicação aos sindicatos representativos da categoria profissional.
       
  4. DO APROVEITAMENTO E DA ANTECIPAÇÃO DE FERIADOS
    1. As IES poderão antecipar os feriados não religiosos federais, estaduais, distritais e municipais.
    2. Os feriados poderão ser antecipados para todos ou somente para parte dos funcionários, sempre mediante comunicação por meio escrito ou eletrônico em prazo mínimo de 48 horas.
    3. No comunicado do empregador, haverá menção expressa a qual feriado o colaborador está usufruindo.
    4. Os feriados não religiosos federais, estaduais, distritais e municipais poderão ser utilizados para compensação do saldo em banco de horas.
    5. Os feriados religiosos também poderão ser antecipados, desde que haja prévia e expressa concordância do empregador.
       
  5. BANCO DE HORAS
    1. Devido à excepcional situação de calamidade, caso as atividades do empregador sejam interrompidas, poderão ser debitadas do banco de horas o tempo de inatividade do colaborador.
    2. A compensação dessas horas será definida por escrito, que pode ser individual ou coletivo (com participação do Sindicato).
    3. O prazo para compensação de horas é de 18 (dezoito) meses, a partir da data de encerramento do estado de calamidade pública.
    4. A compensação das horas decorrentes do período de interrupção das atividades da empesa será feita por intermédio do acréscimo de até 02 duas horas por dia na jornada, não podendo ultrapassar 10 horas diárias.
       
  6. SUSPENSÃO DE EXIGÊNCIAS ADMINISTRATIVAS EM SEGURANÇA E SAÚDE NO TRABALHO
    1. Durante o período, está suspensa a obrigatoriedade de exames médicos ocupacionais, clínicos e complementares, que deverão ser realizados no prazo de 60 dias após o encerramento do estado de calamidade.
    2. Exceção: atestado demissional.
    3. o exame médico demissional somente poderá ser dispensado se tiver sido realizado exame de mesma natureza no últimos 60 (sessenta) dias.
    4. Também em virtude do estado de calamidade, estão suspensas a obrigatoriedade de treinamentos periódicos e eventuais dos colaboradores, ainda que sejam relacionados à segurança do trabalho, prorrogados para 90 (noventa) dias após o encerramento da situação de urgência.
    5. Os processos eleitorais referentes às CIPAs poderão ser suspensos durante o período de calamidade.
       
  7. DIRECIONAMENTO DO TRABALHADOR PARA QUALIFICAÇÃO
    1. O contrato de trabalho do colaborador poderá ser suspenso pelo prazo de até 04 meses para participação de programa de qualificação, desde que seja profissional, não presencial e fornecido pelo empregador ou entidades terceiras. (Revogado pela Medida Provisória nº 928/2020)
    2. O prazo de duração do curso de qualificação deve ser o mesmo o da suspensão do contrato. (Revogado pela Medida Provisória nº 928/2020)
    3. A suspensão do contrato de trabalho não demanda previsão em acordo ou convenção coletiva, mas deverá ser acordada individualmente com o empregado ou grupo de empregados e anotada na carteira de trabalho. (Revogado pela Medida Provisória nº 928/2020)
    4. O empregador poderá conceder ajudar financeira mensal durante o período, sem natureza salarial, cujo valor será definido, por acordo, com o colaborador. (Revogado pela Medida Provisória nº 928/2020)
    5. Se durante a suspensão do contrato de trabalho o curso para qualificação profissional não for ministrado ou se o colaborador permanecer trabalhando, a suspensão cessará e sujeitará o empregador: i) ao pagamento de salários do período, ii) penalidades por infração administrativa e iii) sanções previstas em acordo ou convenção coletiva. (Revogado pela Medida Provisória nº 928/2020)
    6. Durante o período de suspensão do contrato de trabalho não haverá concessão da bolsa-qualificação prevista na CLT. (Revogado pela Medida Provisória nº 928/2020)
       
  8. DIFERIMENTO DO RECOLHIMENTO DO FUNDO DE GARANTIA DO TEMPO DE SERVIÇO
    1. Está suspensa, para todos os empregadores, a obrigatoriedade de recolhimento do Fundo de Garantia para os meses de março, abril e maio de 2020 (vencimentos de abril, maio e junho do corrente ano).
    2. Os recolhimentos referentes a esse trimestre poderão ser realizados de forma parcelada, em até 6 vezes, sem incidência de atualização e com início a partir de julho de 2020.
    3. Em caso de rescisão do contrato de trabalho, o empregador deverá fazer o recolhimento do FGTS em aberto, inclusive das parcelas vincendas, sem incidências de atualização.
    4. A inadimplência de parcela referente a eventual parcelamento aderido pela IES implicará no bloqueio do certificado de regularidade do FGTS.
    5. Os certificados de regularidade do FGTS emitidos antes de 22 de março de 2.020 estão automaticamente prorrogados por 90 dias.
       
  9. ESTABELECIMENTOS DE SAÚDE
    1. Durante a vigência do estado de calamidade, estabelecimentos de saúde poderão adotar jornada de 12 x 36, mesmo para atividades insalubres.
    2. As jornadas de trabalho dos trabalhadores da área de saúde não sujeitas ao regime de 12 x 36 também poderão ser prorrogadas mediante o pagamento de horas extras (mínimo 50%) ou, alternativamente, por crédito em banco de horas ou por acordo de compensação de horas.
    3. O prazo de compensação das horas laboradas extraordinariamente é de 18 meses, a partir do encerramento do estado de calamidade.
       
  10. SUSPENSÃO DE PRAZOS ADMINISTRATIVOS
    1. Estão suspensos os prazos para apresentação de defesas administrativas decorrentes de infrações administrativas lavradas pelas superintendências do trabalho e as notificações de débito de FGTS.
    2. O prazo de suspensão é de 180 (cento e oitenta) dias, a contar de 22 de março de 2020.
       
  11. CONTAMINAÇÃO PELO CORONAVÍRUS
    1. Eventual contaminação pelo vírus (Covid-19) somente será considerado como doença ocupacional (responsabilidade do empregador) se ficar comprovada que foi em decorrência da atividade profissional.
       
  12. PRORROGAÇÃO DE VIGÊNCIA DAS CONVENÇÕES E ACORDOS COLETIVOS DE TRABALHO
    1. As convenções e os acordos coletivos de trabalho vencidos a partir de 22 de março de 2019 poderão ser prorrogadas, a critério do empregador, pelo prazo de 90 (noventa) dias.
       
  13. ANTECIPAÇÃO DO PAGAMENTO DO ABONO ANUAL EM 2020
    1. O pagamento do abono anual será efetuado em 02 parcelas para os trabalhadores que tenham recebido auxílio-doença, auxílio-acidente, aposentadoria, pensão por morte ou auxílio reclusão.
       
  14. OBSERVAÇÃO: ALTERAÇÃO DE NORMAS

Além das disposições trabalhistas, a MP também traz expressas alterações da legislação vigente, destacando-se:

  1. A Lei nº 8.212, de 1991 (Seguridade Social, no Capítulo em que trata da prova de inexistência de débito).

     15. PRAZO DE VALIDADE DA CND E POSSIBLIDADE DE PRORROGAÇÃO:

O prazo de validade da certidão expedida conjuntamente pela Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil e pela Procuradoria-Geral da Fazenda Nacional do Ministério da Economia, referente aos tributos federais e à dívida ativa da União por elas administrados, será de até cento e oitenta dias, contado data de emissão da certidão, prorrogável, excepcionalmente, em caso de calamidade pública, pelo prazo determinado em ato conjunto dos referidos órgãos.

Houve, ainda, alteração da Lei nº 13.979, de 06 de fevereiro de 2020, que definiu medidas para enfrentamento do novo coronavírus, no tocante a questões de entrada e saída do país e locomoção interestadual e intermunicipal, inserindo o Ministério da Integração dentre os atores envolvidos na tomada de decisão.

A ABMES segue monitorando a situação e enviando informações a todas as IES de acordo com os desdobramentos da situação. Em caso de dúvidas, entre em contato pelo e-mail relacionamento@abmes.org.br.


Conteúdo Relacionado

Documentos

Vídeos

Programa DF no ar - 25/03/2020

Em participação ao vivo no jornal DF no ar, da Rede Record Brasília, na quarta-feira (25/03), o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, fala sobre a situação das instituições de educação superior diante da pandemia do novo coronavírus

Medidas trabalhistas para enfrentamento dos efeitos do coronavírus

A assessoria jurídica da ABMES explica algumas das medidas tomadas pelo Governo Federal sobre as relações trabalhistas (Medida Provisória nº 927, de 22 de março de 2020) que geram impacto nas instituições de educação superior

Buscando a calma diante da pandemia

Celso Niskier, diretor presidente da ABMES, dá dicas práticas para os educadores brasileiros de como manter a saúde física e mental diante da pandemia do coronavírus.

Links:
Artigo no blog da ABMES: https://bit.ly/2UdJHTN
90 livros clássicos em língua portuguesa para download gratuito: https://bit.ly/2UA5qnA
15 sites para baixar livros gratuitamente: https://bit.ly/3dq1tuw
Instituito Êxito de Empreendedorismo: https://bit.ly/3agsI8L

MEC reedita regras para aulas em meios digitais durante o coronavírus

O MEC publicou nesta quinta-feira (19/03) a Portaria nº 345, que altera alguns pontos das orientações dadas anteriormente para a substituição de aulas presenciais diante da pandemia do coronavírus (COVID-19). Foi retirada a menção feita a uma possível limitação para aplicação de aulas a distância e foi esclarecido um ponto essencial para as instituições que ofertam cursos de Medicina

MEC atende solicitação da ABMES e define regras para aulas em meios digitais durante o coronavírus

Atendendo à solicitação feita pela ABMES para que fosse publicado um ato normativo que respalde as instituições de educação superior diante da pandemia do coronavírus, o Ministério da Educação (MEC) publicou a Portaria nº 343, que dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação

Coronavírus: orientações às instituições de ensino

Em mais um vídeo, a ABMES responde dúvidas das instituições de educação superior de como agir diante da pandemia do coronavírus

Impactos do Coronavírus na relação com os colaboradores das IES

A ABMES esclarece pontos sobre o que fazer nos casos de isolamento; importância da Cipa e a implementação do home office Tem mais dúvidas? Deixe nos comentários que responderemos em um próximo vídeo!

Impactos do Coronavírus na rotina das instituições de educação superior

Diante do avanço global do novo Coronavírus (COVID-19), a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES) esclarece alguns pontos importantes a respeito dos impactos do novo vírus na rotina das instituições de educação superior

Legislação

PORTARIA MEC Nº 329, DE 11 DE MARÇO DE 2020

Institui o Comitê Operativo de Emergência do Ministério da Educação - COE/MEC, no âmbito do Ministério da Educação.


PORTARIA MEC Nº 343, DE 17 DE MARÇO DE 2020

Dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação de pandemia do Novo Coronavírus - COVID-19.


PORTARIA MEC Nº 345, DE 19 DE MARÇO DE 2020

Altera a Portaria MEC nº 343, de 17 de março de 2020.


PORTARIA MEC Nº 356, DE 20 DE MARÇO DE 2020

Dispõe sobre a atuação dos alunos dos cursos da área de saúde no combate à pandemia do COVID-19 (coronavírus).


MEDIDA PROVISÓRIA Nº 927, DE 22 DE MARÇO DE 2020

Dispõe sobre as medidas trabalhistas para enfrentamento do estado de calamidade pública reconhecido pelo Decreto Legislativo nº 6, de 20 de março de 2020, e da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus (covid-19), e dá outras providências.


PORTARIA MS Nº 492, DE 23 DE MARÇO DE 2020

Institui a Ação Estratégica "O Brasil Conta Comigo", voltada aos alunos dos cursos da área de saúde, para o enfrentamento à pandemia do coronavírus (COVID-19).


MEDIDA PROVISÓRIA Nº 928, DE 23 DE MARÇO DE 2020

Altera a Lei nº 13.979, de 6 de fevereiro de 2020, que dispõe sobre as medidas para enfrentamento da emergência de saúde pública de importância internacional decorrente do coronavírus responsável pelo surto de 2019, e revoga o art. 18 da Medida Provisória nº 927, de 22 de março de 2020.


PORTARIA CONJUNTA Nº 555, DE 23 DE MARÇO DE 2020

Dispõe sobre a prorrogação do prazo de validade das Certidões Negativas de Débitos relativos a Créditos Tributários Federais e à Dívida Ativa da União (CND) e Certidões Positivas com Efeitos de Negativas de Débitos relativos a Créditos Tributários Federais e à Dívida Ativa da União (CPEND), em decorrência da pandemia relacionada ao coronavírus (COVID-19).


PORTARIA RFB Nº 543, DE 20 DE MARÇO DE 2020

Estabelece, em caráter temporário, regras para o atendimento presencial nas unidades de atendimento, e suspende o prazo para prática de atos processuais e os procedimentos administrativos que especifica, no âmbito da Secretaria Especial da Receita Federal do Brasil (RFB), como medida de proteção para enfrentamento da emergência de saúde pública decorrente do coronavírus (Covid-19).


Notícias

MEC altera prazos para abertura de processos regulatórios em 2020

O MEC informou a prorrogação dos prazos previstos para o calendário de abertura de processos regulatórios ano de 2020

Artigo: Aulas remotas ou EAD?

Estadão: Em artigo, o diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, comenta sobre a solução encontrada pelas IES para continuar as aulas em meio à pandemia do novo coronavírus

Nota Técnica Senacon sobre mensalidades escolares

Secretaria recomenda que consumidores evitem o pedido de desconto de mensalidades escolares devido à pandemia

Secretaria orienta consumidores a não cancelar serviços com instituições educacionais

Nota técnica da Secretaria Nacional do Consumidor foi divulgada nesta quinta (26). Aulas em diversos estados do país estão suspensas devido ao avanço do coronavírus.

Ministério da Saúde cria ação estratégica voltada aos alunos dos cursos da área de saúde para o enfrentamento ao coronavírus

Iniciativa valerá durante o estado de emergência de saúde pública decorrente do coronavírus

Sem aulas presenciais, alunos querem mensalidade menor em universidades

Folha de S.Paulo: A ABMES comenta sobre o modelo que está sendo implantado por meio de aulas remotas

Posicionamento ABMES sobre aulas remotas

Esclarecimento sobre a atuação das IES diante do atual cenário de isolamento social com o objetivo de combater o novo coronavírus

Órgãos prorrogam prazo de validade de CND, estabelecem regras temporárias de atendimento e suspendem prazos processuais

Norma é de suma importância para o setor educacional, pois garante a comprovação da regularidade fiscal das instituições em procedimentos administrativos perante o MEC e entidades gestoras dos pagamentos decorrentes do Fies

Revogado trecho de MP que previa suspensão de contratos de trabalho por 4 meses

Alternativa, portanto, não mais poderá ser como adotada medida trabalhista para enfrentamento da situação

Instituições de ensino superior migram para ensino a distância

Esta foi a opção encontrada para que os alunos continuem assistindo às aulas enquanto os locais estiverem fechados para conter o coronavírus

Instituições de ensino superior migram para ensino a distância

Agência Brasil: O diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, orienta as instituições a utilizarem a modalidade a distância

Universidades e escolas: autoridades devem avaliar os riscos locais, diz Ministério da Saúde

O Ministério da Saúde ainda não recomenda, em todo o país, a suspensão de atividades nas instituições de ensino do país por conta da pandemia do novo coronavírus

Número de casos de coronavírus sobe para 234 no Brasil

O Popular: A ABMES recomendou a suspensão das atividades e pede para que estratégias, como a modalidade a distância, sejam consideradas

Suspensão de aulas, em Pernambuco, não está prevista, por enquanto, por causa do coronavírus

O Popular: A ABMES orienta as instituições à adotarem medidas como a conscientização da comunidade acadêmica

Reitor da UFBA recomenda suspensão de aulas por causa do coronavírus

Instituições de 17 estados já suspenderam aulas

850 milhões sem aula, diz Unesco

O Globo: A ABMES identificou que já há interrupção de aulas nessas instituições em todos os estados do país

Reitor da UFBA recomenda suspensão de aulas por causa do coronavírus

Folha de S.Paulo: Levantamento da ABMES indica que faculdades e universidades privadas de 17 estados e do Distrito Federal já suspenderam as aulas

Prevenção: MEC libera ensino a distância por 30 dias

O Tempo: Levantamento da ABMES encontrou ao menos 17 Estados que estão com aulas paralisadas

Covid-19: MEC libera ensino a distância na educação básica por 30 dias

A liberação da modalidade para todas as etapas da educação básica tem caráter excepcional e valerá apenas enquanto durar a situação de emergência de saúde

MEC libera ensino a distância por 30 dias

O levantamento realizado pela ABMES mostra que, pelo menos 17 estados têm aulas paralisadas

Inep suspende prazo para envio de relatório da CPA

O novo prazo será definido após o retorno das atividades presenciais nas instituições de todo o país

MEC reedita regras para aulas em meios digitais durante o coronavírus

Nova portaria esclareceu um ponto essencial para as instituições que ofertam cursos de Medicina

Por meio de decretos, governadores de todos os estados e do DF suspendem aulas presenciais nas IES

As aulas presenciais nas instituições de educação superior de todo o país foram suspensas

Fórum apresenta medidas para mitigar consequências do coronavírus na educação

Documento enviado ao Ministério da Economia sugere o adiamento dos encargos previdenciários

Universidades de todo o mundo adotam aulas on-line durante a pandemia

Correio Braziliense: Monitorando a situação, a ABMES revela que faculdades de todos os estados e do DF registram interrupção de aulas presenciais

SP libera EAD no ensino fundamental e médio durante quarentena

Folha de S.Paulo: A portaria do MEC atendeu solicitação da ABMES

Coronavírus: MEC regulamenta aulas à distância para o ensino superior por 30 dias

O Globo: Um balanço feito pela ABMES identificou que já há interrupção de aulas nessas instituições em todos os estados do país devido ao novo coronavírus

Comunicado MEC sobre a Portaria nº 343/2020

Orientações do MEC sobre ofícios para informar a opção que será adotada como medida de prevenção ao coronavírus

Inep cancela visitas in loco dos meses de março e abril de 2020

medida atende a um dos pontos solicitados em ofício enviado pela ABMES ao Ministério da Educação

Coronavírus interrompe atividades em instituições de 17 estados e no DF

Correio Braziliense: Segundo levantamento da ABMES, instituições de ensino de 17 estados e do Distrito Federal suspenderam das atividades letivas

Coronavírus: instituições de todos os estados estão sem aulas

A interrupção das atividades é um esforço coletivo das entidades para tentar barrar a proliferação do vírus

Escolas e universidades se preparam para atraso nas aulas e buscam alternativas para driblar a crise da Covid-19

Extra: Em entrevista, o diretor presidente da ABMES, Celso Niskier, comenta sobre o usa da EAD nas instituições de ensino particulares

MEC atende solicitação da ABMES e define regras para aulas em meios digitais durante o coronavírus

Portaria nº 343 dispõe sobre a substituição das aulas presenciais por aulas em meios digitais enquanto durar a situação

Reposição poderá ser feita no ano que vem, diz Conselho Nacional de Educação

Ofício do CNE ressalta que, no caso das instituições de ensino superior, uma portaria publicada pelo MEC passou a permitir que até 40% da carga pode ser ministrada a distância

Reitores sugerem suspensão de aula por 14 dias em instituições com casos de coronavírus

O Globo: ABMES, a orienta as universidades particulares utilizarem a modalidade EAD

MEC libera ensino a distância por 30 dias

Diário Regional: O levantamento feito pela ABMES mostra quais são os estados que estão com as aulas suspensas

MEC libera ensino a distância por 30 dias

Estado de Minas: Levantamento feito pela ABMES, mostra os estados que paralisaram as atividades educacionais

MEC libera ensino a distância por 30 dias

UOL: O levantamento feito pela ABMES mostrou que pelo menos 17 estados já estão com as aulas paralisadas

MEC libera ensino a distância por 30 dias

IstoÉ: Segundo levantamento realizado pela ABMES, ao menos 17 Estados que estão com aulas paralisadas

Coronavírus: instituições de 17 estados e no DF estão sem aulas

Metrópoles: Em levantamento feito pela ABMES, as instituições de ensino superior particular já atuam com a EAD

Coronavírus: atualização sobre interrupções de aulas presenciais

ABMES segue monitorando e informando diariamente as IES brasileiras

Comitê de emergência do MEC define primeiras ações contra o coronavírus

O MEC criou um sistema online que permite a integração de dados sobre o coronavírus

ABMES monitora impactos do coronavírus na rede de educação superior

A ABMES está à disposição das IES para esclarecimento de dúvidas sobre o assunto

Coronavírus: CNE responde consulta da ABMES sobre orientações às IES

Resposta do CNE à consulta realizada pela ABMES a respeito da aplicabilidade de orientações às IES em virtude da pandemia do COVID-19 e suas implicações no calendário acadêmico

Orientações ao setor particular de educação superior sobre prevenção ao Coronavírus

Novas orientações serão enviadas de acordo com os desdobramentos da situação

#ABMESINFORMA

12/03/2020

Orientações ao setor particular de educação superior sobre prevenção ao Coronavírus

Embora a incidência da doença ainda seja baixa nacionalmente, recomendamos a implementação de um plano de contingenciamento para possíveis impactos nas atividades econômicas do país