Detalhe

CBESP: Experiências nacionais de criatividade e inovação marcam presença no segundo dia

06/05/2022 | Por: CBESP | 452

Experiências criativas e inovadoras de instituições de ensino brasileiras também marcaram a manhã do segundo dia do XIV Congresso Brasileiro de Ensino Superior Particular (CBESP). Os cases foram apresentados por quem está à frente das iniciativas e compartilharam os desafios para construção e evolução das propostas. 

A formação integral do aluno, a adoção de metodologias baseadas em projetos e o intercâmbio com as necessidades do mercado marcaram o painel “Instituições Criativas e Inovadoras”, segundo compromisso da manhã do XIV CBESP. Sob a coordenação da vice-presidente da Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep), representantes da Saraiva Educação, do Instituto de Tecnologia e Liderança (Inteli) e Instituto de Tecnologia ITuring apresentaram suas experiências e aprendizados. 

O modelo de gestão educacional com foco no monitoramento constante do aluno foi mote da fala de João Paulo Bittencourt, gerente de Ensino Superior da Faculdade Israelita de Ciências da Saúde Albert Einstein, da Saraiva Educação. “Estamos preocupados constantemente com a aprendizagem dos alunos. Criamos vários critérios para acompanhar as competências desenvolvidas e para avaliamos esses indicadores ao longo de todo o curso afim de oferecer um projeto de educação de alta confiabilidade”, detalhou Bittencourt. E provocou, “seguir a regulamentação é o mínimo, é preciso fazer muito mais para formação integral do futuro profissional”.

Com pouco menos de dois anos de criação, a Link School of Business foi representada por Álvaro Schocair. Ele contou sua trajetória e sobre as diferenças que encontrou na formação das escolas de negócios nos Estados Unidos e no Brasil. Desta reflexão alertou para o que considera ser a mudança mais significativa quando se trata de inovação na educação. “É tanta programação voltada para uma educação para que forme executivos que a gente esquece da possibilidade de criar produtos, serviços, de atender de uma sociedade como um todo. Este é um ponto de mudança que, se a gente quiser de inovação em educação, precisamos passar, em qualquer área”, pontuou. 

Sob a ótica da tecnologia, Maurício Garcia, professor e orientador acadêmico do Instituto de Tecnologia e Liderança (Inteli), instituição filantrópica recém-criada que iniciou suas atividades este ano com quatro cursos na área de Tecnologia da Informação e uma metodologia toda baseada em projetos reais que são captados em empresas da área. Assim como a grade curricular foi pensada para se adaptar às necessidades do mercado por estagiários e profissionais, o próprio prédio da instituição foi adaptado para que as salas de aulas – os ateliês – permitissem que a metodologia fosse aplicada adequadamente. “Criamos uma proposta em que cada projeto dure 10 semanas. Nos dois primeiros anos, a dedicação do aluno é integral. No terceiro, apenas de manhã, e no último, somente à noite. Assim atendemos ao que o mercado e o aluno precisam”, explicou Garcia. 

Se preparando para oferecer cursos regulados, o Instituto de Tecnologia ITuring já tem uma grade de cursos livres. Diretor acadêmico, Ronaldo Mota, apresentou a instituição e seus propósitos. Atualmente, a ITuring dispõe de cursos práticos com objetivo de desenvolver habilidades que o mercado e a carreira dos estudantes necessitam. Eles estão distribuídos em quatro eixos: negócios, desenvolvimento, dados e cybersecurity; e contam com parcerias com grandes instituições do mercado. “Temos um objetivo audacioso: treinar com excelência 1 milhão de profissionais em carreira digitais nos próximos 10 anos”, anunciou Mota. 

Com o grande desafio de sintetizar o segundo painel, o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas, levantou três pontos principais: o potencial de transformação da educação e a necessidade de um projeto robusto de financiamento do próprio mercado para ampliar o acesso dos estudantes ao ensino superior; a mudança de percepção transformando a regulação em consequência do processo educacional inovador; a aproximação dos projetos acadêmicos com o mercado de trabalho, por meio de parcerias. “Nos últimos 10 anos o presencial teve uma retração de matrículas de 13% e o EAD teve um crescimento de 428%. As instituições precisam utilizar a tecnologia em favor da formação e muitas foram pegas de surpresa durante a pandemia. A maioria se adaptou rapidamente, mas a duras penas. A gente sabe dos desafios que isso traz, mas precisamos implementar esse processo”, conclui. 

Ainda neste segundo dia estão programados o painel “Projetos Criativos e Inovadores”, que será transmitido pelo canal CBESP no YouTube, e as oficinas temáticas, divididas em cinco workshops simultâneos, exclusivas aos participantes presenciais. Confira a programação completa do XIV CBESP aqui.

 
Sobre o XIV CBESP
Promovida pelo Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular e pela Linha Direta, a 14ª edição do CBESP segue até sábado (07) no Costão do Santinho, Florianópolis (SC). O tema escolhido do retorno do congresso presencialmente é “Criatividade e inovação na construção da educação superior pós-pandemia”. 

Além dos painéis temáticos, distribuídos ao longo da programação, serão realizados cinco workshops que abordarão na prática a criatividade e a inovação na educação superior, bem como modelos pedagógicos, quadrantes híbridos, curricularização da extensão e avaliação virtual in loco. Os temas são os mais pertinentes para a construção pós-pandemia. 

O CBESP reúne, a cada edição, reitores, mantenedores, autoridades, educadores e formuladores de políticas públicas para educação de todo o Brasil e propicia aos participantes troca das mais diversas experiências. Além de representantes de todas as nove entidades que compõe o Fórum: Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES); Associação Brasileira das Faculdades (Abrafi); Associação Nacional dos Centros Universitários (Anaceu); Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior (Semesp); Confederação Nacional dos Estabelecimentos de Ensino (Confenen); Federação Nacional das Escolas Particulares (Fenep); Sindicato das Entidades Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior do Estado do Rio de Janeiro (Semerj); Associação Baiana das Mantenedoras do Ensino Superior (ABAMES) e a Associação de Mantenedoras Particulares de Educação Superior de Santa Catarina (AMPESC). A próxima edição terá como foco a liderança e será realizada no Rio de Janeiro (RJ).


Conteúdo Relacionado

Áudios

Áudio: Sucesso da avaliação virtual in loco

Data:19/05/2022

Descrição:

ESPECIAL CBESP | Os próximos seis episódios do podcast da ABMES foram gravados durante o XIV CBESP, principal congresso da educação superior brasileira. Confira o primeiro debate desta série especial: 

 

A pandemia da Covid-19 trouxe uma inovação importante para o universo educacional superior: as avaliações externas virtuais in loco nas instituições de ensino superior, que começaram em abril de 2021. O formato está sendo um sucesso! Porém, ainda pode ser melhorado. Neste episódio, falamos com o presidente do Inep sobre o tema. 

 

Participantes:

Celso Niskier – Diretor presidente da ABMES 

Danilo Dupas Ribeiro – Presidente do Inep 

Bruno Coimbra – Assessor Jurídico da ABMES

 

Ficha técnica

Produção: Camila Griguc 

Edição de som: Jonathan Alves

Apoio: Sabrina Moraes

Download

Vídeos

ESPECIAL CBESP | O sucesso da avaliação virtual in loco

A pandemia da Covid-19 trouxe uma inovação importante para o universo educacional superior: as avaliações externas virtuais in loco nas instituições de ensino superior, que começaram em abril de 2021. O formato está sendo um sucesso! Porém, ainda pode ser melhorado. Neste episódio, falamos com o presidente do Inep sobre o tema.

Participantes:
Celso Niskier – Diretor presidente da ABMES
Danilo Dupas Ribeiro – Presidente do Inep
Bruno Coimbra – Assessor Jurídico da ABMES 

Notícias

CBESP apresenta 10 propostas para o desenvolvimento do ensino superior brasileiro

O documento traz dez propostas para o desenvolvimento do ensino superior brasileiro.

MEC facilita abertura de cursos técnicos pelas universidades privadas

Aval dependerá apenas do ministério para abrir vagas online em vários polos; setor prevê atender demanda do novo ensino médio

Brasil deve atingir meta de matrículas no ensino superior apenas em 2040

Um dos objetivos da meta 12 do Plano Nacional de Educação (PNE) é colocar 33% da população entre 18 e 24 anos no ensino superior até 2024

Meta do PNE de ter 33% dos jovens na faculdade será alcançada com 16 anos de atraso, diz estudo

O levantamento feito pela consultoria Educa Insights e a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes) foi divulgado nesta sexta (6) durante o XIV Congresso Brasileiro de Educação Superior Particular, em Florianópolis

Ensino superior privado projeta atraso de 16 anos para atingir meta de jovens nas faculdades

Plano Nacional de Educação previa 33% dos brasileiros de 18 a 24 anos na universidade até 2024; setor defende mudança no Fies, com cobrança somente após o estudante conseguir emprego

No ritmo da última década, meta do PNE para ensino superior será atingida em 2040, diz estudo

No pior cenário, país atingiria estagnação em 2033 e pode nunca conseguir ter 33% dos jovens de 18 a 24 anos na universidade

Para aumentar vagas de ensino técnico, MEC flexibiliza oferta nas universidades privadas

Ministério passará a autorizar cursos, o que era responsabilidade dos conselhos estaduais de educação; número de matrículas está estagnado desde 2015

Número de alunos em cursos técnicos pode crescer 25% com oferta em faculdades privadas

Em 2019, havia cerca de 1,8 milhão de alunos matriculados nessa modalidade de curso, que tem duração de um ano

CBESP: Experiências internacionais inspiram participantes no segundo dia

Cases de sucesso no exterior foram apresentados em uma manhã de grandes aprendizados disruptivos

Ministro da Educação participa de abertura do XIV CBESP

O ministro da Educação, Victor Godoy Veiga, participou nesta quinta-feira (05) da solenidade de abertura do XIV Congresso Brasileiro da Educação Superior Particular (CBESP)

Abertura do CBESP terá sessão solene com ministro da Educação e bate-papo sobre criatividade e inovação com o publicitário Nizan Guanaes

Após as palestras, a noite será animada pelo cantor de rock Paulo Ricardo com o show “Voz, Violão e Rock’n’Roll” em que ele canta todos os seus grandes sucessos

Projeto Seres em Movimento realizará atendimentos durante o XIV CBESP

Os participantes poderão agendar horários exclusivos para falar sobre seus processos abertos no Ministério da Educação ou queiram esclarecer dúvidas sobre o sistema e-MEC

14ª edição do CBESP debaterá o impacto da inovação e da criatividade no setor educacional

Nos dias 5, 6 e 7 de maio, educadores de todo o país estarão reunidos presencialmente em Florianópolis/SC

Editora

Revista Estudos nº 45

Criada em 1982, a Revista Estudos, de conteúdo temático, tem como objetivo reunir trabalhos sobre grandes temas educacionais, elaborados por profissionais reconhecidos nacionalmente, como subsídio ao aprofundamento de debates e de reflexões das instituições de ensino superior. A edição de nº 45 aborda a criatividade e inovação na construção da educação superior pós-pandemia.