Detalhe

"Temos de pensar no retorno das aulas presenciais", diz ministro Milton Ribeiro

05/12/2020 | Por: O Popular | 977
Diomício Gomes/O Popular Ministro visita Goiânia e comenta sobre volta às aulas

O ministro da Educação, Milton Ribeiro, reforçou o posicionamento do governo federal em iniciar tão logo o retorno do ensino presencial no País. Nesta semana, o MEC publicou portaria para que a rede federal, que corresponde ao ensino superior, voltasse às aulas nas unidades no início de janeiro. O documento foi criticado pelas entidades de reitores e professores das universidades que argumentavam não haver segurança sanitária para a volta presencial já no próximo mês. 

Nesta sexta-feira (4), o MEC e as entidades voltaram a negociar um novo prazo para o retorno presencial. O Conselho Nacional de Educação (CNE) quer a homologação de documento que mantém as aulas remotas até o final de 2021. Na manhã deste sábado (5), Ribeiro disse sobre a necessidade do retorno, nem que seja em um formato híbrido, e que isso não poderia ficar para o final do próximo ano.

O ministro garantiu que o retorno das aulas deve sim ocorrer com segurança, em razão da pandemia de Covid-19, mas com celeridade. “Não podemos deixar para o final do ano que vem”, disse. Em entrevista à imprensa, o ministro garantiu que deve tomar a decisão essa semana em relação a uma data para a volta das aulas presenciais. 

Ao ser perguntado se estaria rechaçada a possibilidade de manter as aulas remotas até o final de 2021, ele não respondeu. Repetiu apenas que a decisão será tomada após os posicionamentos das universidades, o que já foi feito. “Vamos voltar com toda a questão da biossegurança possível”, disse. 
Em sua fala no evento de inauguração do CMEI, Ribeiro disse ainda que ele e o governo são negacionistas sobre a pandemia. Reforçou torcer para a chegada da vacina contra a Covid-19, independente de qual a origem, mas criticou a Coronavac, feita pelo laboratório chinês e em parceria com o Instituto Butantã, do governo de São Paulo. 

Ribeiro afirmou que as primeiras doses deveriam ser dadas ao governador João Dória (PSDB) e à sua equipe de saúde. “Eles tomam e a gente espera para ver se não acontece nada, depois tudo bem”, argumentou. 

 


Conteúdo Relacionado

Legislação

PORTARIA MEC Nº 1.030, DE 01 DE DEZEMBRO DE 2020

Dispõe sobre o retorno às aulas presenciais e sobre caráter excepcional de utilização de recursos educacionais digitais para integralização da carga horária das atividades pedagógicas enquanto durar a situação de pandemia do novo coronavírus - Covid-19.


Notícias

Ministro debate com entidades retorno das aulas presenciais

Entidades do ensino superior querem a revogação de portaria do MEC

MEC tenta resolver impasse sobre volta às aulas presenciais nas federais

Em reunião com o ministro da Educação, Milton Rodrigues, representantes de setores da academia lembram que a pandemia do novo coronavírus está longe de ser debelada e solicitam que o ensino a distância continue como opção no próximo ano

Entidades educacionais pedem ao MEC flexibilização de portaria

Representantes de instituições de ensino públicas e particulares do país solicitam retorno presencial apenas com segurança sanitária e financeira

MEC se reúne com reitores para discutir retorno das aulas presenciais

Milton Ribeiro recebeu representantes | Pediram homologação de parecer do CNE | Texto estabelece ensino remoto até 2021

Ministro da Educação se reúne com reitores para discutir a volta às aulas nas universidades

Na quarta (2), o MEC publicou uma portaria determinando que as atividades de ensino superior deverão ocorrer a partir de janeiro de forma presencial, observando o protocolo de biossegurança para evitar o contágio pelo coronavírus. Houve forte reação das instituições de ensino superior.

Após anúncio alvo de críticas, ministro da Educação não define retorno das aulas presenciais

Portaria publicada nesta quarta determinava a volta às aulas em janeiro, mas enfrentou resistência das universidades

MEC se reúne com reitores para discutir portaria que determina volta às aulas nas universidades

Portaria revoga autorização que equivale aulas remotas às presencias, mas condiciona o retorno aos protocolos de biossegurança; medida foi criticada. Em nota, MEC diz que vai se pronunciar 'em breve' sobre a portaria, que ainda não foi revogada.

Depois de publicar portaria, MEC decide ouvir reitores sobre a volta das aulas presenciais

Universidades disseram que manteriam planejamento com aulas remotas por falta de tempo e dinheiro para retorno