Detalhe

Depois de publicar portaria, MEC decide ouvir reitores sobre a volta das aulas presenciais

04/12/2020 | Por: Folha de S.Paulo | 971
Reprodução

Um dia após publicar portaria que determinava o retorno das aulas presenciais em janeiro, o ministro da Educação, Milton Ribeiro, decidiu ouvir reitores de universidades e institutos federais e faculdades particulares.

A determinação, publicada nesta quarta (2), foi questionada por dirigentes das instituições de ensino, que a consideraram inconstitucional por desrespeitar a autonomia universitária. Também afirmaram que não haveria tempo hábil ou recurso financeiro para o retorno presencial em 4 de janeiro.

No mesmo dia da publicação, o ministro afirmou à CNN que revogaria a portaria e que faria uma consulta pública para discutir o tema. Ele disse que “não esperava tanta resistência”.

Integrantes da pasta, no entanto, avaliam que o recuo enfraquece ainda mais o ministro, por isso, estudam ajustes à portaria para não ter de revogá-la. Entre as mudanças avaliadas está atrelar o retorno compulsório das aulas presenciais ao mês de início da vacinação no país.

A reunião foi marcada para esta sexta-feira (4) com representantes da Andifes (que reúne os reitores de universidades federais), Conif (reitores de institutos federais), Crub (Conselho de Reitores das Universidades Brasileiras) e o Fórum das Entidades do Ensino Superior Particular.

“Todos terão a oportunidade de emitirem suas opiniões a respeito do tema”, disse o MEC, em nota.

A publicação da portaria surpreendeu até mesmo membros do alto escalão do ministério. A decisão não foi discutida nem mesmo com a Sesu (Secretaria de Educação Superior), que tem a atribuição de articular e coordenar as ações com as universidades.

A resistência dos dirigentes das instituições de ensino, que no mesmo dia comunicaram que não seguiriam as instruções da portaria, fez com que aliados de Bolsonaro também pressionassem Ribeiro pela não revogação. Eles avaliam que o recuo seria uma vitória das universidades federais, que têm sido alvo do presidente.

A abertura das universidades, para minimizar a gravidade da pandemia, é defendida pelo presidente. Na chegada ao Palácio da Alvorada nesta quarta, Bolsonaro defendeu a volta às aulas presenciais "em todos os níveis".


Conteúdo Relacionado

Legislação

PORTARIA MEC Nº 1.030, DE 01 DE DEZEMBRO DE 2020

Dispõe sobre o retorno às aulas presenciais e sobre caráter excepcional de utilização de recursos educacionais digitais para integralização da carga horária das atividades pedagógicas enquanto durar a situação de pandemia do novo coronavírus - Covid-19.


Notícias

Ministro debate com entidades retorno das aulas presenciais

Entidades do ensino superior querem a revogação de portaria do MEC

MEC tenta resolver impasse sobre volta às aulas presenciais nas federais

Em reunião com o ministro da Educação, Milton Rodrigues, representantes de setores da academia lembram que a pandemia do novo coronavírus está longe de ser debelada e solicitam que o ensino a distância continue como opção no próximo ano

MEC se reúne com reitores para discutir retorno das aulas presenciais

Milton Ribeiro recebeu representantes | Pediram homologação de parecer do CNE | Texto estabelece ensino remoto até 2021

"Temos de pensar no retorno das aulas presenciais", diz ministro Milton Ribeiro

Em inauguração de CMEI, em Goiânia, titular do MEC reforçou necessidade de andar com ensino apenas remoto

Após anúncio alvo de críticas, ministro da Educação não define retorno das aulas presenciais

Portaria publicada nesta quarta determinava a volta às aulas em janeiro, mas enfrentou resistência das universidades

MEC se reúne com reitores para discutir portaria que determina volta às aulas nas universidades

Portaria revoga autorização que equivale aulas remotas às presencias, mas condiciona o retorno aos protocolos de biossegurança; medida foi criticada. Em nota, MEC diz que vai se pronunciar 'em breve' sobre a portaria, que ainda não foi revogada.