Detalhe

Educação pós-pandemia

07/09/2020 | Por: O Globo | 1624
Foto: Escolaweb

Depois da quarentena imposta pela Covid-19, o ministro Milton Ribeiro, da Educação, aceitou o convite da Associação Brasileira das Mantenedoras do Ensino Superior (ABMES), presidida pelo professor Celso Niskier, para um bate-papo sobre os seus planos de trabalho. Foi uma conversa agradável, também mediada por Sólon Caldas, grandemente facilitada pelo espírito jovial e simpático do novo titular da Pasta. Tudo aconteceu numa atraente live, apresentada no YouTube.

Com a experiência de advogado e vice-reitor da Universidade Mackenzie, o ministro afirmou que não há lugar para radicalismo e nem quer perder tempo com isso. “Estou preocupado com o caráter dos nossos estudantes, com a recuperação de valores que foram se perdendo com o tempo. Quero trabalhar na recuperação da relação aluno-professor e valorizar a função do magistério. No que couber, pretendo agir no aperfeiçoamento das licenciaturas.”

Depois de afirmar que gostaria de ser um sábio, Milton Ribeiro estima que, após a pandemia (que ele espera não demore muito mais), haverá a prevalência do hibridismo, aperfeiçoando-se a chamada avaliação à distância. Mas ele nitidamente prefere as provas presenciais, “para o bem do próprio estudante.” No processo, devemos trabalhar pela qualidade.

Perguntado como vê a volta às aulas, o ministro esclareceu que não se pode adotar uma solução uniforme para todo o nosso imenso país. De todo o modo, vamos agora trabalhar com a existência de um modelo híbrido.

“Como sou da velha guarda – disse o Ministro, hoje com 62 anos de idade – tenho boas recordações dos meus professores da escola pública. Não acho aconselhável descartar a educação presencial. Se vamos ter robôs professores, que isso se faça bem lentamente.”

Ao final do bem-sucedido encontro virtual, o ministro Milton Ribeiro fez questão de anunciar que o Prouni abrirá mais de 90 mil vagas e o Fies, 50 mil: “Vamos ampliar o atendimento, mas com uma preocupação: a garantia da necessária qualidade.”


Conteúdo Relacionado

Notícias

Do presencial ao online no susto: por que o EaD não pode ser feito sem planejamento, mesmo na pandemia

Estadão: Em artigo elaborado por Francisco Sardo, ele comenta cobre o estudo realizado pela ABMES

Covid-19 obriga mudanças profundas no ensino superior

Rede Brasil Atual: Segundo estudo divulgado pela ABMES, o processo é pelo momento que estamos vivendo, de pandemia de covid-19

A Covid-19 e o ensino superior

Diário da Grande ABC: A consultoria Educa Insights projeta, em estudo divulgado pela ABMES , que o volume de alunos em cursos on-line deve superar os matriculados no modelo presencial já em 2022

Mais do que nunca, EAD

Educação em Revista: Em crescimento antes da pandemia, atividades remotas podem avançar ainda mais durante a retomada da economia

Nº de alunos que abandonam faculdade deve subir após a pandemia, e setores poderão enfrentar falta de mão de obra

Queda na renda e falta de perspectiva levam alunos a desistência de seus cursos. Evasão universitária, que já vinha em tendência de alta, pode observar aumento em 2020

Como será a volta às aulas após a temporada compulsória de ensino on-line

Veja: Intensifica-se o debate sobre as aulas virtuais. Poucos gostaram da experiência, mas ela é inescapável — e isso pode ser bom

A hora do plano B

A pandemia de covid-19 abriu a cabeça de estudantes para as aulas à distância, mas piorou a crise das faculdades, que buscam alternativas para sobreviver

Mais de 40% dos alunos do ensino superior privado afirmam que podem desistir do curso, diz pesquisa

Agência Brasil: Quase a totalidade dos estudantes matriculados no ensino superior privado querem continuar os estudos.