Detalhe

Brasil deve atingir meta de matrículas no ensino superior apenas em 2040

06/05/2022 | Por: Desafios da Educação | 528

Um dos objetivos da meta 12 do Plano Nacional de Educação (PNE) é colocar 33% da população entre 18 e 24 anos no ensino superior até 2024. Entretanto, segundo um estudo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), esse percentual deve ser atingido apenas em 2040. 

A projeção leva em conta o crescimento das matrículas entre 2010 e 2020. A pesquisa também apresenta um cálculo pessimista, considerando o período entre 2017 e 2020, quando houve desaceleração nas matrículas. Nesse caso, a meta provavelmente nunca seria atingida, tendo em vista o crescimento populacional.  

Hoje, de acordo com os dados do último Censo da Educação Superior, 18% dos jovens dessa idade estão matriculados no ensino superior. 

O estudo foi realizado em parceria com a consultoria Educa Insights e divulgado durante o Congresso Brasileiro de Educação Superior Particular (CBESP). O evento acontece entre 5 e 7 de maio em Florianópolis (SC).  

A crise do FIES 
“O PNE estabeleceu metas ambiciosas para a expansão da educação superior. Junto com isso, havia um projeto de expansão do financiamento estudantil”, lembra o diretor executivo da ABMES, Sólon Caldas. “Mas, hoje, o governo não tem uma política pública adequada para dar acesso aos alunos”, lamenta. 

Para Caldas, há dois principais entraves para o cumprimento da meta do PNE: as dificuldades financeiras da população e a baixa qualidade da educação básica no Brasil, o que dificulta a continuidade da vida acadêmica de muitos alunos.  

Na sua visão, o esvaziamento do FIES (Fundo de Financiamento ao Estudante do Ensino Superior) teve um papel decisivo nesse cenário. Em 2014, o programa teve 732 mil contratos. No ano passado, foram ofertadas 100 mil vagas, sendo que apenas 47 mil foram preenchidas.  

“O governo fechou tanto as regras do FIES que o aluno carente economicamente, aquele que mais precisa do financiamento, não atende aos requisitos”, critica Caldas.

Mudanças no Prouni  
Ao mesmo tempo em que se preocupa com um possível esvaziamento do Prouni (Programa Universidade para Todos), a ABMES comemora a aprovação, na última terça-feira (3), da MP 1.075/2021, na Câmara dos Deputados.  

A medida provisória libera a matrícula no Prouni de estudantes que cursaram o ensino médio em escolas privadas. Antes, só estudantes de escolas públicas ou que passaram por escolas privadas com bolsa integral podiam participar.  

“O Prouni tem ocupado 60% das vagas. E um dos principais gargalos era a falta de oportunidades para quem estudou em escola particular”, avalia Caldas. “Com a MP, aumenta as chances de preenchimentos dessas vagas.” 

Apesar das mudanças, a obtenção de bolsas no ensino superior através do Prouni mantém os critérios econômicos. Para bolsa integral, é necessário ter renda familiar mensal per capita de até 1,5 salário mínimo (R$ 1.818). Para bolsa parcial, a renda familiar per capita deve ficar entre 1,5 e 3 salários mínimos (R$ 1.818 a R$ 3.636). 


Conteúdo Relacionado

Notícias

CBESP apresenta 10 propostas para o desenvolvimento do ensino superior brasileiro

O documento traz dez propostas para o desenvolvimento do ensino superior brasileiro.

MEC facilita abertura de cursos técnicos pelas universidades privadas

Aval dependerá apenas do ministério para abrir vagas online em vários polos; setor prevê atender demanda do novo ensino médio

Meta do PNE de ter 33% dos jovens na faculdade será alcançada com 16 anos de atraso, diz estudo

O levantamento feito pela consultoria Educa Insights e a Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (Abmes) foi divulgado nesta sexta (6) durante o XIV Congresso Brasileiro de Educação Superior Particular, em Florianópolis

Ensino superior privado projeta atraso de 16 anos para atingir meta de jovens nas faculdades

Plano Nacional de Educação previa 33% dos brasileiros de 18 a 24 anos na universidade até 2024; setor defende mudança no Fies, com cobrança somente após o estudante conseguir emprego

No ritmo da última década, meta do PNE para ensino superior será atingida em 2040, diz estudo

No pior cenário, país atingiria estagnação em 2033 e pode nunca conseguir ter 33% dos jovens de 18 a 24 anos na universidade

Para aumentar vagas de ensino técnico, MEC flexibiliza oferta nas universidades privadas

Ministério passará a autorizar cursos, o que era responsabilidade dos conselhos estaduais de educação; número de matrículas está estagnado desde 2015

Número de alunos em cursos técnicos pode crescer 25% com oferta em faculdades privadas

Em 2019, havia cerca de 1,8 milhão de alunos matriculados nessa modalidade de curso, que tem duração de um ano

CBESP: Experiências internacionais inspiram participantes no segundo dia

Cases de sucesso no exterior foram apresentados em uma manhã de grandes aprendizados disruptivos

CBESP: Experiências nacionais de criatividade e inovação marcam presença no segundo dia

Cases de sucesso no Brasil adotam metodologias disruptivas, valorizam a formação integral do aluno e atendem às demandas do mercado de trabalho

Editora

Revista Estudos nº 45

Criada em 1982, a Revista Estudos, de conteúdo temático, tem como objetivo reunir trabalhos sobre grandes temas educacionais, elaborados por profissionais reconhecidos nacionalmente, como subsídio ao aprofundamento de debates e de reflexões das instituições de ensino superior. A edição de nº 45 aborda a criatividade e inovação na construção da educação superior pós-pandemia.