Detalhe

STF nega pedido da OAB para barrar abertura de novos cursos de Direito

20/05/2020 | Por: ABMES | 945
Foto: ABMES

Em decisão divulgada nesta terça-feira (19/05), o Ministro Ricardo Lewandowisk negou seguimento à ação que pedia a suspensão de autorização de novos cursos de Direito em todo o país, ajuizada pela Ordem dos Advogados do Brasil (OAB).

O ministro considerou que ao decidir sobre o tema, o Supremo Tribunal Federal (STF) interferiria sobre um assunto de competência do Executivo.

Entenda o caso
Em 8 de maio, a OAB ajuizou uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) no STF para suspender autorização de novos cursos de direito em todo o país, ou a expansão de vagas em instituições privadas – tanto no ensino presencial quanto na modalidade à distância.

A ação foi distribuída ao Ministro Ricardo Lewandowisk que negou seguimento à ADPF, afirmando, em síntese, que “Não [me] parece correta a atuação do STF tendente a suspender políticas públicas ou eventualmente desconstituí-las, quem sabe, até, reformulá-las sem que haja clara, manifesta, inequívoca ou, pelo menos, potencial violência aos preceitos invocados”.

Durante o trâmite, o Fórum das Entidades Representativas do Ensino Superior Particular, juntamente com outros representantes de entes do setor, se reuniu com a Consultoria Jurídica do Ministério da Educação, representantes da AGU e da Procuradoria Federal de modo a externar as preocupações decorrentes da ação da OAB e pedir que fossem adotadas as medidas cabíveis no processo.

A ABMES segue monitorando a situação e enviando informações a todas as IES de acordo com os desdobramentos da situação. Em caso de dúvidas, entre em contato pelo e-mail relacionamento@abmes.org.br.


Conteúdo Relacionado

Notícias

Justiça nega pedido de liminar da OAB para barrar cursos de direito a distância

Segundo a decisão, cabe ao Ministério da Educação fiscalizar a modalidade

Justiça nega pedido da OAB para suspender cursos de Direito à distância

Na decisão, a juíza observou que não há perigo de dano ou risco ao resultado útil, requisitos para antecipação dos efeitos da tutela

Ações judiciais e registro profissional: as armas dos conselhos contra o aumento do EAD

Gazeta do Povo: Celso Niskier comenta sobre Portaria do MEC que permite que cursos presenciais das universidades federais possam ter até 40% da sua carga horária na modalidade EAD