Detalhe

Metade dos universitários desiste antes de se formar; custo é bilionário

06/06/2017 | Por: Gazeta do Povo | 337
Jonathan Campos/Gazeta do Povo Estudantes em dia de vestibular para a UFPR: boa parte dos aprovados não concluirá curso

Depois de 15 anos cursando História sem se formar, uma aluna da Universidade Federal do Amapá perdeu na Justiça e teve que aceitar seu desligamento do curso. O caso noticiado na semana passada é extremo, mas não tão descolado da realidade brasileira: um número elevado de aprovados no vestibular acaba deixando a faculdade sem se formar.

Segundo os dados mais recentes do Ministério da Educação, 49% dos alunos que entraram na universidade em 2010 haviam deixado seus cursos quatro anos depois.  O índice de abandono foi de 52,7% nas universidades particulares e de 42,6% nas públicas. 

O problema tem dois aspectos graves: o primeiro é o custo financeiro. Cada aluno que abandona a universidade pública (ou particular com financiamento público) gera desperdício de recursos para o Tesouro. 

O outro aspecto é social: o abandono do ensino superior tem como consequência a falta de profissionais qualificados em muitas áreas, e pode atrasar a entrada de jovens no mercado de trabalho. 

O ministro da Educação, Mendonça Filho, defende que a reforma do Ensino Médio tende a amenizar o problema, já que prevê a orientação profissional para alunos nos anos finais da escola. Mas, se a medida pode ajudar a resolver parte do problema – o desencanto de estudantes com o curso escolhido – nada faria para resolver outros dois: o despreparo educacional e a falta de recursos financeiros.

“Não adianta nada eu incluir uma orientação de carreira e o aluno decidir que de fato quer fazer engenharia, por exemplo. Se ele não tiver a base de matemática ou física, ele não vai continuar”, diz o professor Oscar Hipólito, diretor acadêmico da rede de universidades Laureate no Brasil. 

Hipólito sabe o que diz. Como professor de Física, um dos cursos com maior evasão, ele sempre notou a dificuldade dos alunos em compreender as matérias. Decidiu, então, medir por conta própria os custos da evasão no país: somente os recursos públicos desperdiçados pelas universidades federais e as mensalidades que deixam de ser pagas nas particulares chegam a R$1,5 bilhão por ano. 

A conta não inclui outras consequências negativas do abandono, como a falta de profissionais em determinadas áreas (especialmente nas ciências exatas). 

Para o professor, o despreparo do aluno – em grande medida consequência da má qualidade do ensino básico – é a principal explicação para a alta evasão no ensino superior. 

Crise econômica

Mas o terceiro motivo da evasão, o financeiro, parece estar em alta. 

O coordenador de Educação do Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), Paulo Corbucci, acredita que esta hipótese é a que tem mais levado alunos a deixar seus cursos.

Com a crise orçamentária, o Fies (programa federal de financiamento para alunos de universidades particulares) perdeu 50% dos novos alunos entre 2014 e 2015, ainda durante a gestão Dilma, e teve um anúncio de corte de 29% nos recursos neste ano, já durante a gestão Temer.

O  número de pessoas que ingressaram no ensino superior também caiu 2.6% nas universidades públicas e 6,9% nas particulares entre 2014 e 2015,  mesmo com o crescimento vegetativo da população. 

O diretor executivo da Associação Brasileira de Mantenedoras de Ensino Superior (ABMES), Solon Caldas,  diz que a redução no financiamento estudantil teve impacto direto nos índices de evasão, o que levou algumas instituições a flexibilizar os métodos de pagamento. “Muitas delas estão aceitando uma parte de pagamento durante o curso e outra parte depois da formatura, sem juros”, diz.

Outro fator ajuda a explicar o cenário atual, complementa Solon. “Os jovens das classes A e B normalmente vão estudar na universidade pública e o estudante que precisa trabalhar durante o dia  é que vai para a instituição privada. O cenário de crise, com o desemprego, dificulta a possibildade de acesso”, afirma.

A meta do Brasil é atingir 34% da população entre 18 e 24 anos na universidade até 2020. Atualmente, este número está abaixo dos 20%. O governo costuma centrar esforços no aumento do número de ingressantes. Reduzir a evasão, entretanto, pode ser a forma mais eficiente de chegar mais perto da meta.


Conteúdo Relacionado

Notícias

Mercado testa crédito estudantil que funciona como um investimento

Estadão: Entre as especulações sobre o programa estão o aumento nos juros, atualmente em 6,5% ao ano, e mudança no prazo de carência, de 18 meses, explica Sólon Caldas

MEC estuda criar 'Fies Plus', com bancos privados financiando universitários

O governo seguiria financiando estudantes de baixa renda, por meio do Fies já existente. A ideia é ampliar o número de vagas